15/11 - Sarau Encontro de Utopias convida Chico Mafra e Helber Ladislau

15/11/2011 21:00

Sarau Encontro de Utopias no ECLA

No feriado de 15 de novembro, às 21h - Gratuito

Regina Tieko

O Encontro de Utopias é um espaço para compartilhar poesias e canções, fantasias e devaneios. O sarau é um happening, e acontece através do intercâmbio de fazeres artísticos diversos, valorizando o diálogo e a criatividade. Dedilhe deu traço. Afine sua poesia. Percuta a intuição. Permita-se. Essa ciranda é sua, para doar e receber imaginação.

 

 

" Se o coração cansa de querer, para que serve? "Mario Benedetti.

 

No ECLA , Espaço Cultural Latino Americano

Rua Abolição, 244,  terça feira, no feriado do dia 15 de Novembro, às 21horas. 

Gratuito. 

 

Chico Mafra

 

 Chico Mafra é compositor, ritmista, cantor e violonista. Compõe sambas e canções de ritmos diversos desde menino. Foi puxador da Escola de Samba Passo de Ouro, teve um samba premiado no Carnaval de 82 em Marília pela Escola Corinthians do Sapo com a composição “Sonho, beleza e ilusão”, que tem por tema a criança. Ganhou o programa de calouros Gaiola de Ouro, da TV Bandeirantes, na década de 60, e foi convidado por Noite Ilustrada para gravar na Continental. Interrompeu sua carreira em 73, a pedido de sua esposa. Viúvo, retorna em 2009 às Escolas de Samba, e mais uma vez compõe um samba enredo, “Decendentes para a Glória”, dessa vez para a Escola Paineira de Sapopemba. Gravou e m duas coletâneas, “PF Sensacional”, e “ Carnaval 2009”. Atualmente faz suas apresentações em saraus, casas noturnas e ocasionalmente na Rua do Samba, na Praça do Correio. 

 

 

 Helber Ladislau

 o poeta nos envia o poema "Antônio" publicada na coletânea  do Movimento Mães de Maio com o Título “Do Luto à Luta”, obra que denuncia assassinato de jovens em 2006 por grupos de extermínio com a participação de policiais no Estado de São Paulo. 

 

 

Poesias 

Antônio 

Antônio saiu do trampo, louco para ver seu filho,

A dez metros de casa ele leva um tiro.

No momento em que ele viu com os olhos arregalados o dedo indicativo se movendo

Pá!

Não deu tempo de sentir medo.

A bala já queimava em seu peito.

Primeiro atiraram depois conferiram seus documentos.

Na carteira a foto de um recém nascido junto à certidão de nascimento

O barulho do disparo da cabeça de seu João não sai mais.

Ele que era o avô, ele passa a ser pai

E sofre todas as vezes que o netinho pergunta

Vovô , onde esta meu pai?

Quando se perde o raciocínio nada lhe vale a razão.

É o segundo filho morto de forma violenta que perde seu João.

O Seu João é aposentado,

Ele passa a tarde sentado na calçada olhando para o infinito

Como se lá no céu ele enxergasse seus dois filhos.

Mas não, o que ele vê é o mosquito de aço

Tututututututututututu

Que balança o madeirite, que faz voar as telhas do barraco

Aos pés do morro

crianças com os olhos arregalados presenciam os vagalumes avermelhados

Tá pá pá  pá  pá  

A polícia em busca de paz , mas comandada pelo diabo

Os corações ficam despedaçados

Dona Maria não senta mais em frente ao seu barraco

Não tem mais samba no bar do seu Geraldo.

A população é o maior exército, mas permanece inerte

E pelas frestas relata os fatos

A burguesia que hoje tem o sorriso desfeito pela insegurança

Porque a grana já não garante segurança.

A cidade se transformou em uma guerra de batalha antes ocultada

A formação de uma má educação e uma saúde precária

É o reflexo de uma classe social ignorada

O sangue do morro escorrendo na calçada

O mesmo sangue que já escorria na senzala

E são os mesmos vampiros sugando e dando risada.

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!