Arrendatário ameaça comunidade da aldeia Takwara em Mato Grosso do Sul

28/03/2013 19:20

Arrendatário ameaça comunidade da

aldeia Takwara em Mato Grosso do Sul

Arrendatário de uma porção da fazenda “Brasília do Sul”, situada nos limites da Terra Indígena Takwara, foi até a sede da aldeia para ameaçar as lideranças e avisar que o desmatamento continua!

 

Tribunal Popular
Como foi divulgado no último dia 22 de março, o extermínio das matas da aldeia Takwara ainda não cessou e os latifundiários da região além de desmatarem a única área preservada dentro dos limites da aldeia, passaram a ameaçar a comunidade e desta vez, os criminosos, de maneira ainda mais desinibida e truculenta, foram até a sede da aldeia para avisar que o desmatamento vai continuar.

É sabido que a mata remanescente da região está sendo derrubada para a expansão da lavoura de cana que existe ilegalmente dentro dos limites da aldeia.

Segundo lideranças locais, estima-se que hoje há cerca de 30 capangas armados, que se revezam em turnos. controlando a estrada de acesso, trilhas e fazem a vigília do maquinário usado na operação.

Desde dezembro de 2012, o Tribunal Popular alerta sobre o acirramento do conflito contra os Guarani Kaiowá da Aldeia Takwara, no município de Juti (MS). Os indígenas sofrem todo tipo de violência, desde ameaças de morte às suas lideranças, até a destruição das matas de seu território originário.

Em janeiro de 2013, foram registrados dois incêndios criminosos na aldeia, com a intenção clara de preparar o terreno para a ampliação do cultivo da monocultura de cana-de-açúcar.

Diversas foram as ameaças contra as principais lideranças da aldeia, que só foram amenizadas depois de muita pressão realizada pelos indígenas para que a Força Nacional fizesse uma intervenção e permanecesse por um período na área, até que fossem presos os jagunços que estão a serviço do fazendeiro Jacinto Honório da Silva,que se lembar que até agora não foi responsabilizado por mais esse delito.

A tensão instalada nesta região do Mato Grosso do Sul e a permanente omissão do Estado Brasileiro sobre a resolução em definitivo da demarcação e homologação desta Terra Indígena, tem intensificado cada vez mais a violência por parte dos fazendeiros contra o povo Kaiowa e Guarani. Exemplo mais recente dessa prática foi a invasão de um dos arrendatários das terras da Fazenda Brasília do Sul (que se sobrepõem a Aldeia Takwara), para desmatar a última reserva florestal presente nesta área. Diversas testemunhas relataram ao Tribunal Popular que na manhã da terça-feira (26/03) este arrendatário, foi até a Takwara, para fazer pessoalmente ameaças ao povo da aldeia.

O Tribunal Popular alerta mais uma vez que o governo brasileiro tem se omitido de forma criminosa em relação as demarcações e homologações das terras indígenas no Brasil e em particular com as terras do povo Kaiowa e Guarani.

As mazelas que ocorrem na Aldeia Takwara são de conhecimento dos poderes públicos municipais, estaduais e federal, em especial o poder executivo federal, principal responsável por resolver esta situação. Há duas semanas, seis lideranças do povo Kaiowa e Guarani, estiveram em Brasília (DF) e novamente deram ciência ao Ministro da Justiça, Ministra da Casa Civil, Procuradoria Geral da República e FUNAI, sobre a situação desumana vivida cotidianamente pelos indígenas .

Caso o agravamento desta situação levar a morte ou mais violência contra o povo da Aldeia Takwara, será de inteira responsabilidade do governo federal que não honra qualquer compromisso que tenha feito com o povo Kaiowa e Guarani e os abandonou a própria sorte.

O que acontece em MS contra o povo Kaiowa e Guarani é um crime contra a humanidade e uma tentativa deliberada de exterminar os indigenas, fazendo com que aconteça assim um etnocídio.

O Tribunal Popular exige do Estado brasileiro:

 

  1. A imediata demarcação e homologação de toda as terras reivindicadas pelo povo Kaiowa e Guarani;
  2. A garantia que nenhum falso proprietário (grileiros) entre e destrua as terras do povo Kaiowa e Guarani;
  3. A intervenção imediata para cessar o desmatamento da última reserva de mata existente na Aldeia Takwara
  4. A segurança permanente da Polícia Federal e/ou Força Nacional nas áreas de retomada do povo Kaiowa e Guarani;
  5. Responsabilidade aos fazendeiros pelos crimes cometidos e fim da impunidade.


O Tribunal Popular, conclama a todos os lutadores do povo a se unir na luta Guarani Kaiowá e dos povos indígenas .

Tribunal Popular: o Estado brasileiro no banco dos réus

DENUNCIEM!!!
Excelentíssima Senhora Presidenta da República: Dilma Vana Rousseff

gabinete@planalto.gov.br
sg@planalto.gov.br


Excelentíssima Senhora Presidenta da Fundação Nacional do Índio: Marta Maria Azevedo
marta@nepo.unicamp.br
ouvidoria@funai.gov.br


Ministério Público Federal de Dourados: Dr. Marco Antônio de Almeida
ascom@prms.mpf.gov.br

 

Ouvidoria Geral do IBAMA - Linha Verde Mato Grosso do Sul - Abel Cafure
Fone : (67) 382-2966 ou 382-1802 ramal 231
Fax : (67) 325-8987

abel@ms.ibama.gov.br

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!