Declaração Da V Cúpula Dos Povos em Cartagena, Colômbia

14/04/2012 00:20
 
 
Organizações sociais e populares do continente, reunidos na V Cúpula dos Povos, a verdadeira voz das Américas, realizada entre 12 e 14 de Abril, em Cartagena de Indias, simultaneamente, para a 6ª  Cúpula das Américas, declaram:
Rejeitamos firmemente a insistência do governo dos EUA para impor sua agenda e decidir o rumo dos trabalhos destas cúpulas. Evidência deste veto a participação de Cuba e sua estratégia de militarização, que usa o pretexto da guerra fracassada contra as drogas, a atenção a desastres naturais e controle de migração como uma maneira de manter sua hegemonia. Um componente fundamental dessa estratégia é a criminalização das lutas sociais.
 
 Sua política imperialista foi expressa no apoio ao golpe de Estado em Honduras e apoio para o regime ilegítimo de Porfirio Lobo, as tentativas de desestabilizar o Haiti, a manutenção do bloqueio econômico de Cuba e da continuidade da base militar de Guantánamo e, oposição à soberania da Argentina sobre as Ilhas Falkland.
 
 Era óbvio que depois da cúpula em Trinidad e Tobago, o fracasso da oferta do governo Obama para construir uma nova relação com a América Latina. Apesar de sua derrota na proposta da ALCA, o governo dos EUA para enfrentar a grave crise econômica enfrentada desde 2007, se esforça para promover o livre comércio e toda a agenda neoliberal, que são um obstáculo para a integração regional e foram levados em atraso e miséria para a maioria dos países do continente.
 
 Enquanto isso, o governo canadense anunciou uma política de livre comércio e indústria mineira mega e extração de recursos naturais e energia na América Latina. Suas empresas estão causando danos irreversíveis ao meio ambiente e da biodiversidade, violando os direitos dos povos aos seus territórios. Os conflitos sociais e ambientais se multiplicam na região, como resultado deste modelo predador.
 
 Reconhecemos o progresso nos esforços de integração regional de forma independente, como proposto no, ALBA Unasul e a Comunidade da América Latina e Caribe CELAC.  No entanto, a construção e consolidação de sociedades democráticas, progressistas e de esquerda devem se mover para superação do modelo extrativista baseado na monocultura agro-exportação e grilagem de terras. Isso viola os direitos básicos, tais como livre, prévio e informado e impede a implantação de toda a capacidade das forças do movimento social como capaz  de fazer mais alterações.
 
 A confluência destes fluxos governo com movimentos sociais e políticos, pode ser preservada na medida em que as pessoas aprofundarem a unidade, mobilização social e política e não desistirem  de sua autonomia e seu direito de controlar. Constatamos com satisfação que as lutas populares são mantidas e reforçadas na resistência pacífica do modelo neoliberal.
 
Nesta V Cúpula dos Povos,  tivemos a verdadeira voz da América, com a participação de milhares de combatentes e lutadores, organizações de mulheres, sindicatos, estudantes, camponeses, indígenas, afrodescendentes, pequenos produtores e setores das igrejas e ecumênicos no hemisfério.  Deliberamos sobre os problemas que consideramos o nosso povo realmente fundamentais para e avançar na construção de propostas e, assim, entre outras exigências, exigimos:
 
  •  - A eliminação das bases militares estrangeiras, o fim do colonialismo, o cancelamento de exercícios militares de formação e articulação e policial, o fechamento da Escola das Américas e da eliminação da defesa do Inter e do fim da implantação da Quarta Frota nos nossos mares.
  •  - O fim da militarização sob o pretexto da guerra contra as drogas, e sua substituição por uma política global, multilateral e uma ênfase em medidas de saúde pública.
  •  - O fim da militarização das funções civis, como a assistência humanitária, socorro a desastres e controle de migração.
  •  - O fim da criminalização das lutas sociais, o uso de indígenas territórios, afros e cenários de guerra dos camponeses: não ao recrutamento forçado, o uso das mulheres como despojos de guerra e do deslocamento forçado. No caso da Colômbia, onde o conflito armado persiste, a militarização foi à exclusão e a extinção para essas pessoas.
  •  - A abolição do livre comércio e investimento que aprofundar a pobreza, a exclusão e a desigualdade social, que afeta particularmente as mulheres.
  •  - O fim da promoção indiscriminada dos investimentos estrangeiros, buscando, em vez de relações de cooperação e benefício mútuo e aprofundamento dos processos de integração de forma autônoma. Os direitos dos investidores não podem estar acima dos direitos das pessoas e da natureza. Deve condenar transnacionais atores principais do modelo.
  •  - Uma nova arquitetura regional financeira, de modo a incluir: Banco do Sul, da América Latina Fundo de Reservas e acabar com a política de endividamento empobrecedora.
  •  - Soluções reais para a crise ambiental e climática ponto a causas estruturais, através de uma reformulação da arquitetura financeira mudança no padrão de desenvolvimento. Defender a vida e os bens comuns contra a mercantilização da natureza impulsionado por instituições financeiras multilaterais e os países do norte.
  •  - Respeitar o direito dos povos de decidir suas políticas agrícolas e garantir a sua segurança alimentar, conservar e consumir seus produtos nativos. Estes ameaçados pela monocultura, biocombustíveis, transgênicos e mineração em larga escala.
  •  - Para priorizar a geração de trabalho decente para todos e de tudo, a garantia da liberdade de associação e negociação coletiva eo fim da violência contra trabalhadores rurais e urbanos do continente.
  •  - Alterações dos sistemas de educação eficazes para garantir o acesso pleno à educação, à participação democrática do estabelecimento de ensino e contra a privatização e mercantilização da educação. Em defesa do direito à educação, apoiamos a demanda do movimento estudantil do continente para a sua livre e universal.
  •  - Restaurar o direito de Cuba de pertencer ao sistema multilateral. Exigir EUA a cessação do bloqueio a Cuba e à cessação de hostilidade contra os governos que não seguem suas ordens.
  •  - O aprofundamento dos processos de integração, sem a interferência do governo autónomo EUA ea construção de amplos processos de integração dos povos, com respeito, reconhecimento e incorporação de sugestões da comunidade para uma sociedade baseada na cooperação e na boa viver e construir uma cultura de paz. - Os povos irmãos do continente, o apoio à Colômbia em busca de uma solução negociada e pacífica para o conflito armado.
 
Lamentamos que a bela cidade de Cartagena é tanto um exemplo da desigualdade e da pobreza. Militarização hoje, por ocasião do diretor executivo da Cúpula.
 Apelamos a todos os setores da sociedade nas Américas, a realizar de forma unificada as lutas que reivindicam os princípios e aspirações contidas neste comunicado, convidando-os a acompanhar a mobilização de massas, pacífica e civil para alcançar os objetivos propostos.
 Finalmente, consideramos a Cúpula das Américas oficial não pode continuar a ser um cenário exclusivo, a subordinação ao império e simulação de harmonias falsas. Esta é a nossa voz, a verdadeira voz dos povos da América, e assim proclamamos ao mundo.
 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!