Indígenas elegem liderança Pankararu para conselheira do CNPC

02/06/2010 21:32

Culturas Indígenas

Indígenas elegem liderança Pankararu para conselheira do CNPC

http://www.cultura.gov.br/site/wp-content/uploads/2010/06/dora-pankararu-188x163.jpgA liderança indígena Pankararu Maria das Dores do Prado é a nova conselheira do Colegiado de Culturas Indígenas junto ao Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC). Ela foi eleita pelos membros do Colegiado do segmento durante encontro nos últimos dias 31 de maio e 1º de junho, no Hotel St. Paul em Brasília.  Além da titular Dora Pankararu, o Colegiado de Culturas Indígenas elegeu ainda, como suplente, Sérgio dos Santos, da etnia Galibi Marworno, do Amapá.

Nascida em uma aldeia Pankararu do interior do Pernambuco, Maria das Dores lidera uma comunidade da etnia, formada por cerca de 2 mil pessoas, que está situada no estado de São Paulo desde a década de 50.  A nova conselheira do CNPC começou a atuar na defesa dos Pankararu a partir de 1997 e, em 2004, passou a integrar também o Conselho Estadual dos Povos Indígenas.

“Agora terei um desafio maior que é representar, politicamente, toda a diversidade dos povos étnicos existentes no nosso país. Terei oportunidade de trabalhar pelo coletivo do segmento, levando em conta toda a complexidade das nossas comunidades indígenas”, declarou a pedagoga Dora Pankararu depois de eleita como representante do Colegiado no CNPC.  Ela acredita que a sua eleição foi um reconhecimento do grupo pelo seu trabalho em defesa da cultura dos povos indígenas.

Plano Nacional e Fundo Setorial do segmento

Membros do Colegiado

Os novos membros do Colegiado, eleitos na etapa setorial da II Conferência Nacional de Cultura, no início de março, em Brasília, discutiram também minuta de propostas para a elaboração do Plano Nacional de Culturas Indígenas, além dos projetos prioritários do segmento que terão investimentos dos recursos do Fundo Setorial de Culturas Indígenas.

O segmento de Culturas Indígenas será um dos beneficiados com a criação do Fundo da Diversidade que integra o Procultura, projeto de lei que substituirá a Lei Rouanet e que está em tramitação no Congresso Nacional. O Fundo da Diversidade será Farney Tourinho a esquerda, ao centro Renata Valente da Funai
(Museu do Índio) e Maurício Fonseca a direitaaplicado em projetos e Editais desenvolvidos no âmbito das Secretarias da Identidade e da Diversidade Cultural e da Cidadania Cultural, e da Fundação Cultural Palmares.

Para acompanhar as discussões do Comitê Gestor do Fundo, o Colegiado de Culturas Indígenas escolheu ainda dois representantes do setor para integrar o Comitê Gestor do Fundo. Maurício Fonseca, representante da sociedade civil e Farney Tourinho de Souza, da etnia Kambeba, situada na região do Alto Solimões, no Amazonas, foram os eleitos para representar o segmento nas discussões sobre o Fundo da Diversidade.

Foi criado também um Grupo de Trabalho para elaborar o documento final do Plano Nacional de Culturas Indígenas. Os integrantes do Colegiado elegeram quatro representantes sendo que João Pacheco e Maurício Fonseca ficaram como titulares e Luiz Donizete e Vanda Macuxi como suplentes.

(Heli Espíndola - Comunicação/SID)