Movimentos sociais vão elaborar programa para melhorias no campo como alternativa ao agronegócio

21/08/2012 16:54

Movimentos sociais vão elaborar programa para melhorias no campo como alternativa ao agronegócio

Thais Leitão/Agência Brasil

Brasília - Representantes de diversos movimentos sociais ligados ao campo se reúnem a partir de hoje (20), em Brasília, para formular um programa único de ações voltado ao desenvolvimento rural que sirva como contraponto ao modelo do agronegócio, baseado na produção em grandes propriedades, para a exportação e com uso de agrotóxicos.

Segundo participantes do Encontro Unitário dos Trabalhadores, Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas, que vai até quarta-feira (22), a reforma agrária, o fortalecimento da agricultura familiar, além da demarcação de terras indígenas e quilombolas, são elementos fundamentais que devem integrar o projeto alternativo.

O representante da Via Campesina, João Pedro Stédile, defendeu que a reorganização do modelo de produção rural no Brasil é urgente.

"A reforma agrária é uma necessidade para o Brasil, mas ela está parada. Queremos que a agricultura seja organizada para produzir alimentos sadios, sem agrotóxicos e para o povo brasileiro. Para isso, é preciso garantir que o pobre e o sem-terra tenham terra e condições de produzir alimentos. Nesse modelo do agronegócio não há lugar para agricultores nem para pobres, que são expulsos. Precisamos discutir uma grande proposta alternativa que represente os interesses nacionais", disse, em entrevista coletiva na manhã de hoje (22), durante a abertura do evento, que ocorre no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, na capital federal.

Segundo Stédile, o agronegócio é um modelo "predador, excludente e que coloca em risco a soberania do país", já que atrai o capital internacional e afasta a população campesina da atividade rural. Ele acrescentou que vivem hoje no campo 16 milhões de brasileiros, sendo "a maioria pobres, que precisa de renda". Entre eles, 4 milhões são pequenos proprietários e precisam de programas e políticas públicas para impulsionar suas atividades. Além disso, há 4 milhões de famílias que não têm renda "e para elas só a reforma agrária" é capaz de garantir uma nova realidade.

O secretário de Política Agrária da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Wiliam Clementino, enfatizou, durante a entrevista coletiva, que a implementação da reforma agrária é fundamental para o sucesso das políticas de combate à pobreza.

"Nenhum programa de combate à pobreza e à miséria terá sucesso sem passar pela reforma agrária. Se não mudarmos a estrutura fundiária do país, não vamos tirar as pessoas da pobreza e dar a elas as condições de produção. E o fortalecimento da agricultura familiar, nesse contexto, é um grande desafio, porque esse é mais do que um segmento social, mas também político e econômico, que alimenta 75% da mesa do brasileiro", disse, acrescentando que, durante os dias do encontro, não haverá agendas ou mesas de debate com representantes do governo.

Elisângela Araújo, representante da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), destacou que a unificação das reivindicações e das propostas dos vários setores ligados ao campo fortalece as discussões para a construção de políticas estruturantes, capazes de garantir, além do acesso à terra, assistência técnica de qualidade, pesquisas e tecnologias acessíveis aos pequenos produtores.

"Não queremos medidas de ano em ano, mas políticas que de fato mudem a realidade do campo. Se tivermos um mundo rural com gente vivendo com dignidade, vamos reduzir todos esses problemas sociais que hoje existem nas grandes metrópoles do país."

Ao fim do encontro, os participantes, estimados pelos organizadores em mais de 5 mil, vão promover uma marcha, partindo do local do evento, o Parque da Cidade, até o Palácio do Planalto. Eles também vão entregar o documento final produzido durante os três dias de evento a representantes dos Três Poderes.

O Encontro Unitário dos Trabalhadores, Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas ocorre 51 anos após o 1º Congresso Camponês do Brasil, realizado em 1961, em Belo Horizonte (MG).

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!