07/07 a 15/08 - Cinema Negro: Museu Afro Brasil abre sua primeira mostra de filmes

15/08/2010 14:00

Cinema Negro: Museu Afro Brasil

 

abre sua primeira mostra de filmes


Claudia Alexandre/Portal Áfricas
 
 
 
 

 

 

 

A luta do negro norte-americano pelos direitos civis é o pano de fundo das produções que o Museu Afro Brasil – Organização Social de Cultura apresenta, a partir do dia 17 de julho, às 14 horas, na inédita mostra  de filmes A Saga Negra do Norte, em parceria com a Heco Produções. Com curadoria do cineasta Eugenio Puppo, foram selecionadas onze obras, entre documentários e ficções que retratam diferentes perspectivas de um período crucial para a questão das relações raciais nos Estados Unidos. Entre os filmes estão O Assassinato de Martin Luther King (1993), de Denis Muller; Os Panteras Negras, dirigido por Agnès Varda e  Malcom X, de Spike Lee. A mostra termina no dia 15 de agosto e terá sessões sempre às 14 e 17h00, aos sábados e domingos, no Auditório Ruth de Souza, do Museu Afro Brasil. A mostra conta com o apoio de Drew Associates, California Filmes, MPLC BR, Mpi Home Video, Cinemateca da Embaixada Francesa, Warner Bros, Columbia, Magnus Opus, Daylight e Sony. 

 

Programação - A Saga Negra do Norte –

17/07 -  SÁBADO  14h – O nascimento de uma nação;

                                  17h – Manderlay

18/07 - DOMINGO 14h – Crise

                                  17h – Sympathy for the Devil

24/07 - SÁBADO   14h – O Assassinato de Martin Luther King/ Os Panteras Negras;

                                 17h– Malcom X

25/07 - DOMINGO 14h – O Poder do Soul;  

                                17h – Sweet Sweetback’s Baadasssss Song

31/07 - SABADO  14h – Shaft ;

                                17h – O Retorno de Sweetback

01/08 - DOMINGO  14h – O nascimento de uma nação;

                               17h – Manderlay

07/08 -SÁBADO 14h– Crise;

                              17h - Sympathy for the Devil

08/08 -DOMINGO14h – O assassinato de Marthin Luther King/ Os Panteras Negras;

                              17h – Malcom X

14/08 - SÁBADO14h – O Poder do Soul; 

                              17h - Sweet Sweetback’s Baadasssss Song

15/08 - DOMIGO 14h – Shaft ;

                              17h – O Retorno de Sweetback -

Sinopses

 

Crise, Doc., Dir. Robert Drew (1963), 95 min. Entre os documentários selecionados Crisis, de Robert Drew, é um marco no cinema americano e mundial, tanto pelo conteúdo quando pela forma. Além de mostrar o Presidente Kennedy, cinco meses antes da sua morte, enfrentando uma crise política interna envolvendo dois estudantes negros, o filme se torna um marco na história do Cinema Direto. Robert Drew conseguiu construir uma atmosfera dramática que cresce até o embate final. O clima de tensão é notado no comportamento dos personagens e realçado pela montagem. Classificação: Livre. Dia 18 de julho, às 14 horas; Dia 07 de agosto, às 14 horas.

 

 

O Assassinato de Martin Luther King, Doc., Dir Denis Muller (1993), 81 min. O filme indica uma conspiração do FBI contra o líder e evidencias que apontam para as mesmas organizações envolvidas no assassinato de Kennedy. Mas ao contrário do caso Kennedy, apenas uma pequena parte da população conhece o que realmente envolve a conspiração sobre o rei. O filme reflete como a mídia e o governo tratavam Martin Luther King Jr na época. O documentário é investigativo e lança uma nova visão sobre a morte de Martin Luther King Jr.  Classificação: Livre. Dia 24 de julho, às 14 horas; Dia 08 de agosto, às 14 horas.

 

 

Os panteras Negras, Doc., Dir. Agnès Varda (1968), 31 min.

A história dos direitos civis dos negros americanos mobilizou cineastas mesmo fora dos Estados Unidos. Agnès Varda, uma das precursoras da Nouvelle Vague, dirigiu o filme Os Panteras Negras sobre os vários debates que aconteceram no verão de 1968 em Oakland Califórnia, em torno do processo de Huey Newton, co-fundador e líder inspirador dos Panteras Negras. Reconhecido como o único filme a favor da política extremista dos panteras negras a ser exibido comercialmente em universidades e cineclubes nos Estados Unidos. Classificação: Livre.  Dia 24 de julho, às 14 horas; Dia 08 de agosto, às 14 horas.

 

 

Sympathy for the Devil, Doc., Dir. Jean-Luc Godard (1968),   100 min. Em 1968, os Rolling Stones estavam no auge da sua carreira e Jean-Luc Godard já era cultuado diretor de cinema francês e tomado uma direção política revolucionária na sua carreira. Os bastidores da gravação do álbum Beggar’s Banquet dos Rolling Stones serve como fio condutor para uma análise da contra-cultura ocidental dos anos 60. Examinado questões que faziam a cabeça dos revolucionários de maio de 68 como o papel da mídia, feminismo, sexo, Marxismo-Leninismo, Mao, o movimento dos Panteras Negras e obviamente, os Stones, nos dá uma visão geral sobre o que acontecia de relevante na época. Incompreendido na época do lançamento, Sympathy for the Devil – One Plus One é um dos raros filme que Jean-Luc Godard fez em inglês. Classificação: 16 anos. Dia 18 de julho, às 17 horas; Dia 07 de agosto, às 17 horas.

 

O Poder do Soul, Doc., Dir. Jeffrey Levy-Hinte (2008), 93 min. Classificação indicativa: 14 anos. O Show Zaire 74, retratado no filme O Poder do Soul, reuniu nada menos que James Brown, BB King, Mirim Makeba, Célia Cruz com Fania All-Stars, Bill Withers, The Crusaders, The Spinners entre outros. Os três dias de show foram concebidos para acompanhar a luta de Muhammad Ali e George Foreman pelo titulo mundial. Além de cobrir a montagem do festival no Zaire (hoje Congo) e a passagem de som dos artistas, o filme mostra, em imagens de bastidores, Muhammad Ali em imagens raras treinando e aproveitando o foco da mídia para criticar asperamente o preconceito contra os negros nos Estados Unidos. O filme mostra a relação entre artistas africanos e americanos no festival, revelando o desejo de aproximação dos artistas americanos com as suas raízes. Classificação: 14 anos. Dia 25 de julho às 14 horas; dia 14 de agosto  às 14 horas.

  

 

Manderlay, Fic., Dir. Lars Von Trier (2005), 139 min. Segunda parte da trilogia de Lars Von Trier EUA – Terra das Oportunidades, o filme Manderlay discorre de forma sutil e cheia de signos, sobre as oportunidades dadas (ou a falta delas) aos escravos negros após a abolição. Inocente e extremamente idealista, a personagem Gracie, acredita que a abolição da escravatura nas leis é o suficiente para a integração dos negros à sociedade. O filme faz uma crítica a idéia de liberdade que além de imposta, vem desassociada de condições econômicas igualitárias. Classificação: 16 anos.  Dia 17 de julho, às 17 horas; Dia 01 de agosto às 17 horas.

 

Malcolm X, Fic., Dir. Spike Lee (1992), 202 min. No premiado Malcolm X o diretor Spike Lee traça a evolução dramática do líder negro, desde sua infância, passando pela prisão, como porta-voz agressivo da Nação do Islã e finalmente, após uma peregrinação a Meca, o poderoso humanista que usou seu dom retórico para repudiar a exclusividade racial. A luta pelos direitos dos negros tornou Malcolm X um dos mais importantes lideres afro-americanos da história. Classificação: 14 anos. Dia 24 de julho, às 17 horas; Dia 01 de agosto, às 17 horas.

 

 

Shaft, Fic., Dir. Gordon Parks (1971), 100 min. Shaft, de Gordon Parks, uma obra prima do gênero blaxploitation, movimento cinematográfico norte-americano do início da década de 70, onde o negro passava a ser o protagonista e produzir seus próprios filmes. Com trilha sonora de Isaac Hayes, sensualidade, muita ação transcorrendo quase sempre no Harlem, bairro nova iorquino de origem africana, e a ação dos negros lutando contra o crime organizado dos brancos, este filme foi sucesso em sua estréia. Um marco da era Black Power que de tão marcante gerou seqüências cinematográficas e uma série na televisão norte-americana na década de 1970. Classificação: 18 anos. Dia 31 de julho, às 14 horas; Dia 01 de agosto, às 17 horas.

 

 

 

O Nascimento de uma Nação, Fic., Dir. D.W. Griffith (1915), 125 min. Dirigido por D.W. Griffith em 1915, utilizando a arte cinematográfica de forma excepcional, o filme O Nascimento de uma Nação apresenta momentos chave dos anos da Guerra da Secessão e do pós guerra, como o assassinato de Lincoln e o nascimento da Ku-Klux Klan. Apesar de ser um dos filmes mais relevantes da história do cinema por apresentar diversas ferramentas que atualmente compõe a linguagem cinematográfica, o filme foi banido em várias cidades dos Estados Unidos devido ao seu posicionamento explicitamente racista e preconceituoso. O filme gerou protestos significantes em seu lançamento. Estréias do filme eram acompanhadas de protestos da recém fundada NAACP (Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor). Classificação: Livre. Dia 17 de julho, às 14 horas; Dia 01 de agosto às 14 horas.

 

 

Sweet Sweetback’s Baadasssss Song, Fic., Dir. Melvin Van Peebles (1971), 97 min. Classificação indicativa: 18 anos. Obra prima do movimento blaxpoitation, Sweetback foi aclamado pela sua originalidade e fez uma legião de fãs. Dentre eles Quentin Tarantino, que em seus filmes denota-se forte influencia de Sweet Sweetaback. Após várias recusas dos estúdios de Hollywood em produzir o filme, Melvin Van Peebles resolve financiar Sweetback pessoalmente. Rodado em apenas 19 dias onde além de dirigir e escrever o roteiro, Melvin ainda atuou, montou e distribuiu o filme.  O filme é reconhecido pela sua originalidade e foi aclamado entre os Panteras Negras pela sua relação com a luta pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. Classificação: 18 anos. Dia 25 de julho,  às 17h00; Dia 14 de agosto, às 17h00.

 

 

O Retorno de Sweetback, Fic., Dir. Mario Van Peebles (2003), 108 min. Classificação indicativa: 18 anos. Ganhador de Melhor Filme e Premio da Audiência no Festival Internacional de Filmes da Filadélfia. Parte da seleção oficial dos festivais de Sundance, Berlim e Toronto, O Retorno de Sweetback é alem de um misto de documentário e ficção, um tributo de Mario a seu pai, Melvin Van Peebles, pela revolução no cinema americano, como um dos mestres do gênero Blaxpoitation. O filme é baseado na vida de Melvin Van Peebles focando as dificuldades e barreiras sociais que enfrentou, como o preconceito e a rejeição de seu filme pelos estúdios de Hollywood. Um controverso filme sobre Melvin Van Peebles, um dos grandes expoentes do cinema negro independente dos Estados Unidos. Classificação: 18 anos. Dia 31 de julho,  às 17h00; Dia 15 de agosto,  às 17h00.

 

 

 

Serviço:

Mostra de Filmes A Saga Negra do Norte

Museu Afro Brasil – Auditório Ruth de Souza

Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n. – Parque Ibirapuera – Portão 10

Estacionamento: Portão 3 – Zona Azul

Horário das Sessões: às 14h00 e 17h00 – Sábados e Domingos

Capacidade: 150 lugares

Ingresso: Grátis

Informações: (11) 5579-0593

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!