10/nov - Projeto Grandes Temas - Batuques, traz "Nego Fugido", da Bahia

10/11/2012 16:00

Projeto Grandes Temas - Batuques

traz "Nego Fugido", da Bahia

Ds 16h às 20h, no Espaço Cachuera, São Paulo

Cachuera/FB

De agosto a dezembro de 2012 a Associação Cultural Cachuera! realiza em São Paulo o projeto Grandes Temas – Edição Batuques. Uma vez por mês serão apresentados grupos de cultura popular tradicional que têm como eixo identitário modalidades de música-dança- poesia-teatro pertencentes à grande família dos Batuques de Terreiro afro-brasileiros.

Os Batuques constituem um dos Grandes Temas das Tradições Brasileiras de Música e Dança, modelo de classificação das formas de expressão performáticas brasileiras des

envolvida por pesquisadores da Associação Cultural Cachuera! nos últimos anos. O projeto objetiva aproximar esta vertente da cultura afro-brasileira do público paulistano, situando-a como essencial para a compreensão das raízes da música brasileira, e propiciar o encontro entre comunidades de diferentes pontos do Brasil.

Nas vivências/apresentações com os grupos convidados, herdeiros de fazeres artísticos ancestrais, o público irá conversar com as comunidades e também será convidado a conhecer toques de instrumentos, danças e cantos vinculados às tradições apresentadas. Os eventos acontecerão sempre aos sábados, com entrada franca, no Espaço Cachuera!, sede da Associação (Rua Monte Alegre, 1.094 – Perdizes – São Paulo). Às 16h iniciam-se as rodas de conversa com os grupos convidados; às 19h, a apresentação dos grupos (a distribuição de ingressos ocorre 30 minutos antes de cada evento).

Nego Fugido
Acupe (BA)

O Nego Fugido é uma tradição de Acupe, distrito de Santo Amaro da Purificação (BA), que relembra anualmente o período da escravidão na região do Recôncavo Baiano. Durante a festa as ruas dessa comunidade de pescadores, situada numa das maiores regiões escravocratas da Bahia, recebem os participantes com rostos pintados por pasta de carvão e a boca bem vermelha de tinta, encenando o processo de como se deu a aquisição da liberdade dos negros escravizados. Manifestações correlatas são o Lambe Sujo, de Laranjeiras (SE), e o Quilombo de Alagoas.

A apresentação retrata os personagens capitão do mato (que organiza a busca dos negros fugidos), caçadores (a mando do capitão do mato, são os responsáveis pela captura dos fujões), soldados (simbolizando a presença do Estado), a madrinha (representando a paz e aludindo à Princesa Isabel) e o rei (de Portugal, a quem se exige a carta de alforria), além dos escravos (que atualmente são representados por crianças e adolescentes).

Durante três finais de semana de julho o grupo apresenta-se em diferentes pontos da cidade de Acupe, sendo a última apresentação coroada pela encenação da revolta das negas (os escravos), a batalha e a captura do rei e de seus soldados. Sob a mira das armas dos revoltosos, o rei é obrigado a dar a liberdade aos negros. Uma outra versão da história é, assim, contada, colocando em foco o protagonismo dos escravizados no processo de abolição.

Ao final de cada apresentação, comandada pelo som dos atabaques e por cânticos com palavras em línguas africanas, os participantes e o público celebram dançando um gingado de Samba de Roda, o batuque de terreiro tipicamente baiano. Após a encenação, os moradores do distrito preparam uma grande feijoada para a comunidade com o dinheiro arrecadado durante a brincadeira (quando a população contribui 'comprando' os escravos).

No folguedo notamos uma interessante confluência de contribuições étnicas: elementos da cultura jeje-nagô originária da Nigéria e Benin, também caracteristicos dos candomblés (como o conjunto de três atabaques e seus padrões rítmicos, a movimentação do torso e dos braços na dança, as melodias pentatônicas e a presença de termos iorubá nos cânticos), junto a práticas da cultura banto Congo-Angola, como o Samba de Roda.

Há indícios de que esta tradição tenha surgido depois da libertação dos escravos, no final do século XIX, entre negros que viveram no período da escravidão e/ou seus descendentes. Ela passou por um período de quase desaparecimento entre as décadas de 70 e 80, mas a partir do final da década de 80 o Nego Fugido passou a ser reencenado anualmente.
Serviço:
Grandes Temas BAtuques ´Nego Fugido
de novembro
Nego Fugido
Acupe, Santo Amaro da Purificação (BA)
16h - Apresentação em ruas próximas ao Cachuera!
18h - Roda de conversa
19h - Samba de Roda Chula com o grupo Raízes de Acupe
*Também haverá apresentações do Nego Fugido no Parque da Luz, na Matilha Cultural e no Instituto Pombas Urbanas
Espaço Cachuera
 Rua Monte Alegre, 1094 Cep: 05014-001 São Paulo • SP • Brasil
Tel: (11) 3872-8113 Tel • 3875-5563 - cachuera@cachuera.org.br

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!