12 a 19/07 - Memorial promove o 7º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo

19/07/2012 18:00

 Memorial promove o 7º Festival de

Cinema Latino-Americano de São Paulo

 

De 12 a 19 de juho no Memorial, Sesc e Cinemateca

Memorial da America Latina

A Fundação Memorial da América Latina apresenta a sétima edição do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, cuja abertura será no próximo dia 12, com a projeção do filme mexicano Um mundo secreto, de Gabriel Mariño, no Auditório Simón Bolívar. Como nos outros anos, a entrada é franca para todas as sessões. O Festlatino reúne as novidades da cinematografia da região, trazendo obras inéditas no Brasil e selecionadas – algumas delas premiadas – em importantes festivais como Berlim, Cannes, Havana, entre outros. Serão exibidos mais de 70 filmes, com as presenças de mais de 30 convidados.

Desde sua badalada première na mostra Generation do Festival de Berlim, o road movie mexicano Um Mundo Secreto acumulou premiações (como as dos festivais de Guadalajara e Tolouse) e encantou público e crítica por sua força poética. Seu enredo acompanha uma adolescente vivida pela atriz Lucía Uribe, que parte da capital mexicana em uma épica viagem de iniciação. O diretor do filme, o estreante Gabriel Mariño, buscou retratar como pensa e sente a juventude mexicana atual, que enfrenta grande violência, instabilidade social, incertezas sobre o futuro e poucas possibilidades de trabalho.

O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo surgiu em 2006 por iniciativa de Fernando Leça, então presidente do Memorial, e do cineasta João Baptista de Andrade, que ocupava na época o cargo de Secretário Estadual de Cultura. Naquele ano o Festlatino trouxe ao Memorial vários cineastas históricos da cinematografia latino-americana, como os argentinos Fernando Birri, Marcelo Piñeyro e Santiago Loza, e os chilenos Miguel Littin e Patricio Guzmán. Em seu início já havia a parceria com o Cinesesc e a Cinemateca. Programe-se pelo site www.festlatinosp.com.br Veja como foram os outros Festlatinos nos links ao pé da página.

De lá para cá o Festlatino foi ganhando novos parceiros e sessões especiais. A programação este ano inclui a Competição de Escolas de Cinema Ciba-Cilect (com curtas de instituições da Argentina, Brasil, Cuba, Equador, México e Uruguai), a mostra Fronteiras (reunindo episódios da série do canal TNT produzidos na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, México, Panamá, Porto Rico, Uruguai e Venezuela) e uma homenagem aos dez anos de Cine en Construcción, projeto franco-espanhol voltado ao apoio de novos filmes da América Latina.

Também no âmbito do Festlatino, filmes recentes realizados em coprodução envolvendo pelo menos dois países da América do Sul concorrem ao Prêmio Itamaraty para o Cinema Sul-Americano. Iniciativa do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a premiação confere R$ 90 mil ao vencedor, que é eleito por um júri formado pela produtora argentina Violeta Bava, pelo programador do Festival de Toulouse Erick González, pelo distribuidor Sandro Fiorin (Brasil / EUA), pelo cineasta Federico Veiroj e pelo ator Cesar Troncoso, os dois últimos uruguaios.  Um debate sobre o tema da coprodução internacional está agendado para o dia 19 de julho (quinta-feira), às 10h, na Cinemateca Brasileira, e reúne autoridades e produtores audiovisuais.

Durante o Festlatino, ainda, acontece o Prêmio Finaliza 2012, promovido pelo Programa Cinema do Brasil, Associação do Audiovisual e a Cinecolor Digital e voltado a filmes brasileiros em fase de pós-produção. O vencedor, eleito por um júri internacional, recebe R$ 99,4 mil em serviços para finalizar o seu filme.

Programado para a sessão da meia-noite da sexta-feira, 13 de julho, Juan de Los Muertos (Cuba / Espanha) promete causar sensação. Cubano nascido em Buenos Aires, o diretor Alejandro Brugués propõe um inventivo e surpreendente filme no qual a cidade de Havana está dominada por zumbis e é quase que completamente destruída. Vencedor do prêmio do público no Festival de Leeds, o longa-metragem é também uma sátira política à situação de Cuba, utilizando referências inteligentes e marcantes.  Destaca-se a atuação de Alexis Díaz de Villegas, vencedor do prêmio de melhor ator no festival Fantasporto de 2012.

Outro road movie presente este ano é o longa-metragem El Chico Que Miente (Venezuela / Perú / Alemanha), da venezuelana Marité Ugas. O filme, que esteve na seleção oficial da seção Generation do Festival de Berlim, narra as experiências de um menino em transição para a adolescência. Ele procura ansiosamente pela mãe desaparecida, vítima do trágico deslizamento de terras provocado pelas intensas chuvas que assolaram o estado venezuelano de Vargas em dezembro de 1999. El Chico que Miente recebeu ainda o prêmio de melhor roteiro no Festival de Havana.

Já o colombiano El Páramo (coprodução Argentina / Espanha) é um suspense de guerra calcado na realidade política da Colômbia que alcançou grande sucesso nas salas comerciais daquele país. O filme rendeu ao jovem Jaime Osório Márquez o prêmio de diretor revelação no Festival de Cinema Fantástico de Sitges (Espanha). Filmada em uma base militar a mais de quatro mil metros de altitude, a obra focaliza um comando militar que é enviado a uma região desolada em busca de uma equipe que está sem contato. Lá, encontrarão um único e misterioso sobrevivente.

A programação do evento traz mais colombiano: Porfírio (co-produção Espanha, Uruguai, Argentina e França), do diretor Alejandro Landes, que nasceu em São Paulo, filho de mãe colombiana e pai equatoriano. Exibida na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes e no prestigioso festival New Directors, New Films, de Nova York, a obra é baseada numa história real e acompanha um paraplégico, vítima da violência, que planeja sequestrar um avião para ser recebido pelo Presidente do país.

A recente produção chilena, que tem despertado atenção no circuito internacional de festivais, está representada por Bonsai, o novo filme do realizador Cristián Jiménez (de Ilusões Óticas). Inspirado na obra literária homônima de Alejandro Zambra, esta co-produção com a França, Argentina e Portugal, foi selecionada para a seção Un Certain Regard do Festival de Cannes e venceu o prêmio de melhor filme ibero-americano no Festival Internacional de Miami. Trata-se de uma história de amor, de livros e de plantas, passada entre ficção e recordações.

 

O longa Artigas – La Redota, dirigido e fotografado por Cesar Charlone (de O Banheiro do Papa), recebeu no último mês de junho os prêmios de melhor direção e melhor atuação (para o ator Jorge Esmoris) na importante premiação uruguaia Íris. Uma co-produção Uruguai / Brasil / Espanha, Artigas – La Redota foi inteiramente filmado no Uruguai e conta a história de José Artigas, militar uruguaio nascido em Montevidéu, no ano de 1764, considerado o herói nacional de seu país.

Também estão programados os seguintes títulos brasileiros: Estradeiros, de Sérgio Oliveira e Renata Pinheiro; Rânia, de Roberta Marques; Pulsações, de Manoela Ziggiatti; Fala Sério!, de Augusto Sevá e Augustas, de Francisco Cesar Filho.

O 7º Festival de Latino-Americano de São Paulo é uma realização da Fundação Memorial da América Latina e da Secretaria Estadual de Cultura, em parceria com a Associação do Audiovisual, responsável pela produção executiva, Itamaraty, Cinemateca Brasileira, Cinesesc, e Cineusp Paulo Emílio. O 7º Festlatino tem o patrocínio da Sabesp e do Ministério da Cultura, por meio da renúncia fiscal (Lei Federal de Incentivo à Cultura).

Programe-se pelo site www.festlatinosp.com.br

 

Serviço:

7º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo
12 a 19 de julho de 2012
Memorial da América Latina – Av Auro S. de Moura Andrade 664, Barra Funda
Cinesesc – Rua Augusta 2075, Cerqueira Cesar
Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso 207, Vila Mariana

Entrada franca

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!