EUA, o consumismo é o orgulho que destrói. Sua vida é assim?

01/08/2011 18:19
EUA, o consumismo é o orgulho que destrói. Sua vida é assim?


Um amigo me diz: "o que sobra para os EUA além de fazer guerra? Foi guerreando que todos os impérios acabaram".

Ele se referia à proposta dos republicanos, aceita por grande parte dos democratas, que cortam gastos com saúde, educação e assistência social e mantém intacta a máquina de guerra do país.

Ele me perguntou: "como psicólogo, como você vê isto"?

Respondi: ORGULHO. 

Os EUA se desenvolveram em cima de conceitos nobres: trabalho, liberdade, igualdade. Os pioneiros impediam que alguém tivesse grandes propriedades de terra. Pois todos deviam ter a sua própria propriedade e aqueles que gerissem melhor ganhariam mais. Ou seja, EFICIÊNCIA e INOVAÇÃO.

Os EUA foram e ainda são o país do trabalho comunitário. No Brasil temos a idéia do público como o espaço de ninguém. Lá o público é o espaço de todos

Lembro que visitei uma biblioteca nos EUA. O que me chamou a atenção era a quantidade de doações que a biblioteca recebia. Livros, computadores, o prédio, reformas do prédio, caderiras, mesas... Parecia que todos da redondeza faziam questão de colaborar. Este comportamento faz parte do ideal americano, aquele ideal que construiu o país.

Então, chegou o individualismo exarcebado, o incentivo ao orgulho, à vaidade, ao consumismo. Algumas décadas atrás a moda eram os Yuppies. Se gabavam de usar camisas apenas uma vez, depois jogavam fora. Extremamente consumistas, alienados e egoístas. Estes tipos se tornaram o ideal de vida de milhões de americanos.

Os presidentes Reagan, depois Bush, cortaram impostos dos mais ricos. (Mais ou menos o que querem fazer aqui no Brasil). Desregulamentaram o mercado financeiro - a ciranda financeira atingiu seu ápice. Enquanto isto os valores dos pioneiros foram ficando para segundo plano. Os sintomas: escândalos financeiros, um atrás do outro.

Sem valores nobres e incentivados ao consumismo exarcebado, o egoísmo tomou conta do país. Foi uma festa de consumo que já levou 15 milhões de famílias à falência. Levou o país a dever 15 TRILHÕES de dólares. Grande parte disto gasto em guerras e na máquina de guerra.

Uma nação que abandonou os ideais nobres de seus pioneiros, para se tornar uma nação Yuppie. É o caminho da destruição, da auto-destruição.

Isto acontece com pessoas e acontece com paises. Outro dia encontrei com uma mulher "acabada", deprimida, "sem futuro". Um dia ela foi uma jovem secretária, bonitinha, que gastava todo seu dinheiro com roupas, com "diversão" e outras vaidades. Uma vida futilidade. Uma vida desperdiçada muito rápida. Sua colega, que aproveitou a oportunidade para estudar e ajudar sua família, tem boa profissão, boa saúde e boa aparência. Ou seja, a boba está bem e a espertona está mal. 

Os EUA resolveram ser os espertões do mundo. É o único país que imprime dinheiro a vontade (por enquanto) e repassa para o resto do mundo. Tudo para torrar!

Sem valores, sem dinheiro e preenchidos por vaidades e desejos de consumo, sobra o sentimento de derrota. Isto eles não querem aceitar. 

Como se esconder deste sentimento de derrota e da necessidade de se arrepender e começar de novo? Orgulho.

Tem pessoas que perdem a vida, mas não perdem a pose. É isto que estamos vendo acontecer ao ainda grande país que são os EUA.

Consumismo, vaidade, orgulho, exibicionismo, narcisismo, egoísmo quando presentes e fortes geram uma coisa só: autodestruição.

Seja vida da ex-secretária, atual depressiva. Seja na vida de uma nação.

Leia mais aqui: EUA: 15 milhões faliram em 4 anos

Sobre o absurdo número de depressivos em São Paulo (muitos deles prisioneiros de um estilo de vida auto-destrutivo) clique aqui.

Aqui você pode saber sobre a falta de compaixão que norteou os cortes de impostos nos EUA.

A verdade é: sem compaixão, sem apoio ao próximo e sem caridade a chance de um país ou de uma pessoa crescer fica muito reduzida.

A secretária que ajudava financeiramente sua família, e que por isto não comprava as mesmas roupas que a secretária egoísta, MELHOROU DE VIDA. É muito fácil ver milhões de exemplos como este. Ela foi solidária, fugiu do consumismo e vive bem. A outra se esbaldou no consumismo, vaidade e exibicionismo e hoje está deprimida. 

Qual exemplo você vai seguir na vida? O caminho da privação baseada no amor? Ou o caminho da realização de desejos destrutivos? São duas escolhas, e NÃO EXISTE O MEIO TERMO. Não se iluda!

Sem valores nobres você pode vencer, mas fica mil vezes mais difícil.

 

Régis Mesquita é Psicologo e edita o blog Psicologia Racional e participa da TV Hipnose

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!