Movimentos de Mulheres

09/03/2010 14:45

 Vera Mattos(htt://quemtemmedodemulher.blogspot.com)

 

 

Movimentos de Mulheres desejam indicação imediata de Norma Angélica para o cargo de Procuradora Geral do Ministério Público da Bahia.

 

No ultimo dia 26 de fevereiro, os promotores e procuradores de justiça do Ministerio Publico baiano em concorrida eleição para o cargo de Procurador Geral, elegeram uma lista tríplice, para escolha do Governador.  Lidivaldo Brito, entrega o cargo em 12 de março.

 

 

Dos seis que disputaram a eleição, (três mulheres e três homens) foram escolhidos a Norma Angélica, (1o. lugar), Olimpio Campinho (2o. lugar) e Welington Cesar (3o. lugar). 


Este método da lista tríplice,  foi adotado  e inserido como norma constitucional, em alternativa a prática do passado, onde o Governador escolhia ao seu livre arbítrio o procurador geral, inclusive durante muito tempo poderia ser escolhido alguém de fora do quadro institucional. 


Muito embora seja considerado constitucional que na lista tríplice o governador poderá escolher qualquer um dos tres, vem sendo uma praxe a escolha do mais votado.


"Ocorre porem, que desde a noite do dia 26 esperamos a designação da nossa próxima procuradora geral, o que ainda não ocorreu", dizem algumas promotoras.

 

Os que entendem de politica,  dizem que - além de legal - é legitimo que o governador escolha alguém mais afinado com o seu governo. 


Entretanto para nós  mulheres,cabe uma reflexão, porque justamente agora,quando uma mulher foi escolhida, pela maioria de votos, seguimos aguardando quase uma semana para essa decisao, com fortes comentários sobre a possibilidade da escolha de um procurador que não a mais votada.  










Vera Mattos 

Presidente da Fundação Maria Lúcia Jaqueira de Mattos 
Dirigente da Seção Bahia - do Capítulo Brasil 
do Fórum de Mulheres do Mercosul
Dirigente da Rede Risco Mulher Brasil
Membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública
Mémbro da Rede Nacional de Direitos Humanos.
Membro do Estado de Paz.
Visitem:

http://www.veramattos.com.br
http://www.fundadacaojaqueira.org.br
http://www.forummulheresmercosul.blogspot.com

 

 







Zilda Arns Neumann, coordenadora internacional da Pastoral da Criança, foi uma das vítimas do terremoto que devastou o Haiti na terça-feira (12). A informação foi confirmada pelo gabinete do senador Flávio Arns (PSDB-PR), sobrinho de Zilda. Segundo informações da assessoria do parlamentar, Zilda Arns estava em missão humanitária no Haiti e, no momento do terremoto, estava andando nas ruas com um sargento do Exército e morreu nos escombros. O senador está indo para o Haiti, junto no avião da delegação brasileira, chefiada pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim.

Zilda Arns ficaria no Haiti do dia 10 ao 15 deste mês de janeiro para participar de uma Conferência com Bispos daquele país, segundo a assessoria de imprensa da Pastoral da Criança.

Zilda era irmã de Dom Frei Paulo Evaristo Arns.

Médica pediatra e sanitarista, foi a fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Zilda recebeu diversos prêmios pelo trabalho que vinha sendo desenvolvido desde a sua fundação. Era também representante titular da CNBB, do Conselho Nacional de Saúde e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Mortos
O Exército Brasileiro confirmou nesta quarta que pelo menos quatro militares morreram devido ao tremor. Os quatro mortos são do 5o Batalhão de Infantaria Leve sediado em Lorena, interior de São Paulo. Ao menos outros cinco militares brasileiros ficaram feridos.

O Brasil, que lidera as tropas de paz da ONU no Haiti, participa da Minustah com 1.266 militares. O contingente total da missão é de 9.065 pessoas, sendo 7.031 militares, segundo dados de novembro.

O chefe civil da Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah), o tunisiano Hedi Annabi, pode ter morrido no terremoto que devastou este país, assim como as pessoas que se encontravam com ele no prédio, informou o chanceler francês, Bernard Kouchner.

"Infelizmente, o prédio da ONU desabou e, aparentemente, todos que estavam em seu interior, entre eles meu amigo Annabi, enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas, e todos que estavam com ele, estariam mortos", afirmou o ministro.

Trajetória de Zilda
Nascida em Forquilhinha (SC), residia em Curitiba (PR), era Viúva desde 1978, teve cinco filhos (um já falecido) e dez netos.

Zilda escolheu a medicina como missão e enveredou pelos caminhos da saúde pública. Sua prática diária como médica pediatra do Hospital de Crianças Cezar Pernetta, em Curitiba (PR), e posteriormente como diretora de Saúde Materno-Infantil, da Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, teve como suporte teórico diversas especializações como Saúde Pública, pela Universidade de São Paulo (USP) e Administração de Programas de Saúde Materno-Infantil, pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS). Sua experiência fez com que, em 1980, fosse convidada a coordenar a campanha de vacinação Sabin para combater a primeira epidemia de poliomielite, que começou em União da Vitória (PR), criando um método próprio, depois adotado pelo Ministério da Saúde.

Em 1983, a pedido da CNBB, criou a Pastoral da Criança juntamente com Dom Geraldo Majela Agnello, Cardeal Arcebispo Primaz de São Salvador da Bahia, que na época era Arcebispo de Londrina.

Em 2004, Zilda recebeu da CNBB outra missão semelhante: fundar, organizar e coordenar a Pastoral da Pessoa Idosa. Atualmente mais de 129 mil idosos são acompanhados todos os meses por 14 mil voluntários.

Pelo seu trabalho na área social, Zilda recebeu condecorações tais como: Woodrow Wilson, da Woodrow Wilson Fundation, em 2007; o Opus Prize, da Opus Prize Foundation (EUA), pelo inovador programa de saúde pública que ajuda a milhares de famílias carentes, em 2006; Heroína da Saúde Pública das Américas (OPAS/2002); 1º Prêmio Direitos Humanos (USP/2000); Personalidade Brasileira de Destaque no Trabalho em Prol da Saúde da Criança (Unicef/1988); Prêmio Humanitário (Lions Club Internacional/1997); Prêmio Internacional em Administração Sanitária (OPAS/ 1994); títulos de Doutor Honoris Causa das Universidades: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Universidade Federal do Paraná, Universidade do Extremo-Sul Catarinente de Criciúma, Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade do Sul de Santa Catarina. Dra. Zilda é Cidadã Honorária de 10 estados e 35 municípios; e foi homenageada por diversas outras Instituições, Universidades, Governos e Empresas.