Suícidio de adolescentes entre povos indígenas

25/10/2012 22:48

Na quarta-feira 09 de maio é apresentado um estudo que analisa um fenômeno preocupante e pouco conhecido: o alto número de suicídios na população indígena da América Latina. Embora a população da região tem uma baixa taxa de suicídio em todo o mundo, o suicídio de jovens indígenas em particular, leva as taxas entre os diferentes grupos da população da América Latina.
Isto foi revelado por "suicídio indígena adolescente. Três estudos de caso ", que analisa comparativamente casos entre os jovens, povos indígenas awajún (Peru), Guarani (Brasil) e Embera (Colômbia).


O texto foi publicado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), da Agência Espanhola de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional (AECI) e do Grupo de Trabalho Internacional para Assuntos Indígenas (IWGIA).
A investigação começou a partir de um comentário feito pelo Comitê sobre os Direitos da Criança observou em 2009 que "em alguns Estados-partes, taxas de suicídio entre crianças indígenas são significativamente mais elevados do que crianças não indígenas"
.


No mesmo ano, o livro "A situação global dos povos indígenas", publicado pela Organização das Nações Unidas coloca o suicídio de jovens indígenas no contexto de discriminação, a marginalização, a colonização ea perda traumática de estilos de vida tradicionais.


O Fórum Permanente sobre Questões Indígenas das Nações Unidas ecoou essa preocupação e recomendou que o UNICEF iniciar uma investigação.


A pesquisa foi realizada com o apoio do Grupo de Trabalho Internacional para Assuntos Indígenas e enfatizou a captar e transmitir a visão dos jovens para buscar uma melhor compreensão da contingência dolorosa.
O volume registra as informações preocupantes dos escritórios locais de saúde concordam que a taxa de suicídio entre adolescentes tem aumentado de forma alarmante.


A discriminação contínua contra indígenas, mudanças drásticas no seu ambiente, a violação sistemática dos seus direitos e impotência das decisões que afetam seu desenvolvimento, causar indivíduo situações traumáticas e as conseqüências coletivas.
Uma resposta a estas situações de desesperança é o aumento de mortes por suicídio entre crianças e jovens. Alguns dos povos indígenas, como os Guarani do Brasil, atingindo valores 30 vezes superiores à média nacional.
O livro reconhece as limitações da informação disponível que não medir a magnitude do problema. No entanto, os dados oficiais e privadas necessitam de melhor investigação e medidas preventivas.


Sem dúvida, o documento representa um esforço inicial para entender, de uma perspectiva cultural, o que acontece em algumas pessoas que levam suas filhas para escolher o suicídio como uma resposta para seus problemas.
Instituições patrocinadoras também esperamos fornecer informações úteis para as pessoas afetadas e incentivando-os a assumir uma postura pró-ativa, para mostrar a seriedade de um problema que pode interferir com seus planos de vida.
Ele também tenta chamar a atenção para os Estados a assumirem as suas próprias responsabilidades na redução de danos, prevenção e erradicação desse grave problema.


Miguel Hilario, um funcionário do UNICEF para as questões indígenas, destacadas na apresentação do livro que os governos muitas vezes não têm a perspectiva política para alcançar adequadamente as populações indígenas.
Informado dos esforços do UNICEF para tentar obter informações quantitativas e qualitativas sobre o suicídio na adolescência e continua a apoiar a investigação que dão pistas para reverter o grave problema.


Hilary, que são as pessoas Shipibo indígenas do Peru, reconheceu e agradeceu as preocupações institucionais da IWGIA e Lourdes Maria Alcantara, antropólogo Brasil, para a visibilidade da questão da vigilância necessária e oportuna esforços para proporcionar a juventude indígena uma vida decente.


O estudo coordenado por Alejandro Parellada IWGIA foi desenvolvido no Peru por Irma Tuesta, Garcia Malena, Pedro Garcia e da Comissão sobre Saúde e Nutrição ODECOFROC federação.
No Brasil participou Indianara Ramires, Maria de Lourdes Beldi e Zelik Trajber. Na Colômbia, Lina Marcela Tobon, Patricia Tobon e Jenzera Negociação Coletiva.

Fonte: Servindi

Baixe aqui o informe em PDF.pdf

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!